terça-feira, 4 de abril de 2017

A verdade sobre a nostalgia

Ouvindo: a música título do post, que é de Raul Seixas (a música, não o post).

Uma das funções mais bacanas do Facebook é a parte das lembranças, quando ele resgata algo que você postou ou foi marcado alguns anos atrás. Hoje (ou ontem, já passou da meia noite), fui surpreendido por uma dessas que balançam a gente.

Era uma foto que um primo postou, de uma das clássicas farras de final de semana que fazíamos em sua casa. Por baixo, a foto deve ser de 15 ou 16 anos atrás. E bateu aquela nostalgia...

Fiquei lembrando de como era a vida naquele tempo: do trabalho, dos amigos, da dinâmica da coisas que eu vivia. Uma saudade gostosa de um tempo que me fez muito feliz e me ajudou a chegar até aqui. Sobre como as coisas eram bem mais simples e menos angustiantes que hoje.

A complexidade do sujeito pós moderno não nos afetava na mesma intensidade que hoje. Ou, por contraditório que seja, por sermos mais jovens éramos bem mais sábios em lidar com as questões que nos preocupavam.

A verdade sobre a nostalgia é que dela podemos tomar dois caminhos: o da lamentação, onde sentimos o quando naquele tempo é que era bom, ou o do aprendizado e gratidão, quando nos permitimos olhar com grande carinho para aquilo tudo e ver quais lições a vida nos proporcionou naquele momento.

De minha parte, espero estar escolhendo o segundo caminho. E poder agradecer a Deus e a todos os amigos que dele fizeram e fazem parte.

Abraços a todos.

P.S: não falei em música por motivos óbvios: música boa era a do meu tempo, não essas coisas que os jovens ouvem hoje em dia...

sexta-feira, 31 de março de 2017

Em casa de ferreiro...

Ouvindo: "Whutering Heights", Angra.

Salve, pessoal.

Hoje ouvi a clássica e recorrente pergunta: "Mas psicólogo não tem problemas?"

Dei um leve sorriso e preparei a melhor resposta possível.

Estava em um curso e a pergunta veio num momento de interação com outro participante, quando conversávamos sobre mudanças e como lidar com elas. A pessoa trouxe uma situação de conflito/dúvida pela qual passava e eu ouvi da forma como o contexto permitia. E a pergunta sobre não ter problemas surgiu depois de eu ter ouvido por um tempo, sem levar conteúdos propriamente meus para o debate.

Nesse exato momento em que escrevo, lembro da situação enquanto tomo uma cerveja no aeroporto, esperando a hora do meu voo. Já mandei mensagem pra esposa falando que topo desistir dos viagem, que podemos ficar em casa. Já comprei uma revista, tomei um café. Li uns emails, comecei a escrever este post. E o horário do voo se aproximando.

Enquanto o horário do voo não chega, penso em como vai ser a viagem. Check in, embarque, decolagem, voo, pouso desembarque... E dá vontade de mandar outra mensagem sugerindo a desistência da viagem.

Sempre rezo nos voos. Ouço música, leio algo... Mas não consigo me livrar da tensão (leia-se: medo) de viajar de avião. Já encarei voos com muita turbulência sem uma gota de angústia, assim como já peguei voos super tranquilos onde me desesperei de medo. E não consegui ainda explicar ou racionalizar isso. Viajo com relativa frequência, o medo não é impeditivo. Mas sempre fico tenso.

Mas, enfim... O voo e a viagem não são tema do post. O tema fica por conta da pergunta que ouvi: "Mas psicólogo não tem problemas?"

Dei um leve sorriso e preparei a melhor resposta possível:

"Claro que temos! Mas conte mais sobre essa situação que você trouxe! :)"